Publicidade Digital 

Agência de Marketing Digital 360°

Conar irá julgar comercial sobre imposto do cigarro e contrabando


Campanha 'imposto cresce, crime agradece' foi alvo de queixas.Para consumidores e associação, propaganda incentiva o tabagismo.

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) informou nesta segunda-feira (13) que foi aberto um processo para julgar a campanha "Imposto cresce, crime agradece" do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP).

Segundo informou o Conar, o processo foi aberto no dia 25 de maio, a partir de reclamações de 7 consumidores, que acusam o comercial de fazer propaganda e incentivar o tabagismo, e pedem a retirada das peças do ar.

A previsão é que o caso seja julgado só em julho. O órgão que autorregula a propaganda brasileira informou que não houve, até o momento, medida liminar contra a campanha. Com isso, os comerciais podem continuar sendo exibidos normalmente na televisão.

A campanha defende que "quando aumenta o imposto do cigarro, aumenta o contrabando feito pelo crime organizado, junto com armas e drogas".

Os filmes contam com a participação dos atores Jackson Antunes e Caco Ciocler que abrem as peças dizendo: "Todo mundo sabe que fumar não é bom para ninguém, mas aumentar o imposto do cigarro também não é". Na sequência, um suposto contrabandista aparece dizendo, na condição de anonimato, que a alta de impostos torna a prática criminosa mais lucrativa. Assista ao vídeo.

Fórum nega apologia ao tabagismo

O FNCP contesta as acusações e nega estar fazendo apologia ao tabagismo. "Nossa propaganda não fala de tabagismo, fala de contrabando. Estamos mostrando que o pior é o que está acontecendo: o crescimento do produto ilegal em nosso mercado. Nosso foco é o combate ao contrabando", afirma Edson Vismona, presidente do fórum.

Ele explica que, além de fabricantes de cigarros, o FNCP reúne "30 associados, de todos os setores", incluindo óculos, brinquedos, relógios, roupas, filmes, material esportivo, medicamentos, entre outros.

A campanha começou a ser veiculada no final de maio na TV aberta e na TV por assinatura e, segundo Vismona, "já está no final".

Cigarro, propaganda e imposto

A Associação Mundial Antitabagismo e Antialcoolismo também pede a retirada do comercuial do ar sob o argumento de que propagandas de cigarros estão proibidas por lei há 16 anos.

"O problema da pirataria ou contrabando do produto é acessório, posto que o principal são os prejuízos econômicos e à saúde pública causados pelo tabagismo", disse a entidade, em comunicado.

Decreto presidencial publicado em fevereiro alterou a legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre cigarros, fumo picado, chocolates e sorvetes. Com a mudança, esses itens passaram a recolher, desde maio deste ano, um percentual maior de impostos sobre o preço de venda.

Só com a mudança na tributação do cigarro, o governo espera arrecadar R$ 465,05 milhões a mais em 2016, R$ 741,96 milhões a mais em 2017 e R$ 662,50 milhões a mais no ano de 2016.

Como funciona o Conar

As medidas do Conar não têm força de lei e o conselho não tem poder de determinar multas. Mas, regra regral, as decisões recomendando alterações ou retirada da propaganda do ar costumam ser sempre atendidas pelos anunciantes e agências de publicidade. O órgão informa que desde a sua fundação, em 1978, já instaurou mais de 7 mil processos éticos, que nunca foi desrespeitado pelos veículos de comunicação e que "nas raras vezes em que foi questionado na Justiça, saiu-se vitorioso".

O Conar abre processos a partir de denúncias de consumidores, autoridades, anunciantes, dos seus associados ou ainda formuladas pela própria diretoria.

Se a denúncia tiver procedência, o Conselho de Ética do órgão Conar recomenda aos veículos de comunicação a suspensão da exibição da peça ou sugere correções à propaganda. Pode ainda advertir anunciante e agência.

Os casos costumam levar mais de um mês para serem julgados. Mas o Conar pode recomendar a sustação imediata nas situações de infração flagrante ao Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

O Conselho de Ética está dividido em oito Câmara, sediadas em São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre e Recife e é formado por 180 conselheiros, recrutados entre profissionais de publicidade e representantes da sociedade civil.

Redação G1

Agência de marketing digital, agência de marketing digital rj, agência de marketing digital rio, agência de marketing digital rio de janeiro, melhor agência de marketing digital, melhores agências de marketing digital, agência de marketing digital sp, agência de marketing digital são Paulo

Agência Digital Marketing Br

Facebook.com/DMarketingBr

Instagram.com/DigitalMarketingBr

Fale Conosco: contato@digitalmarketingbr.com.br


Post Recentes

Contato

Agência Digital Marketing Br

  • Wix Facebook page
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • Flickr Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Tumblr Social Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

®

Publicidade Digital

Digital Marketing Br

© 2018 por Digital Marketing Br